Meu 1º Dia das Mães

Hoje vivo o meu 1º Dia das Mães e muito refleti como foi este último ano antes e depois da sua chegada…

Ser mãe é…

Ter um sonho
Receber um teste de gravidez positivo
Sentir uma alegria imensa
Consultar o obstetra
Ter enjôos, enxaqueca, indisposição
Fazer exames e mais exames
Perder o bebê… Ficar muito triste…
Mas não desistir
Receber outro teste positivo em 2 meses
Ir ao obstetra
Saber que engravidou no dia do seu aniversário de casamento
Ter um sangramento
Ficar muito preocupada
Saber que tudo está bem
Não sentir enjôos, azias
Sentir-se disposta
Ver o corpo mudar a cada dia
A barriga crescer
Amar estar grávida
Sentir o que nenhum homem jamais sentiu: outra vida dentro de si!
A alegria de ouvir as batidas do coração
Descobrir que seu bebê é o tão aguardado menininho
Escolher com o papai o nome do nosso filhinho
Sentir os chutes (e que chutes!) do bebê
Curtir fazer o enxoval e a ‘babymoon’
Idealizar e montar o quartinho
Passar a gestação inteira querendo parto normal e na reta final decidir pela cesárea
Parir
Sentir uma emoção indescritível
Um amor sem tamanho
Dar à luz nova vida
Já sentir orgulho do seu filho tirar Apgar 10
Se acostumar com as noites de dormidas fracionadas
Aproveitar pra dormir quando seu filhinho está dormindo
Amamentar
Sofrer no início com a amamentação, mas não desistir
Sentir prazer em amamentar
Namorar o bebê
Trocar muitas fraldas
Namorar o bebê
Limpar o umbigo, o nariz, o bumbum e a alma
Ter medo em dar banho pela primeira vez
Consultar o pediatra
Chorar com as primeiras injeções
Ver o incrível desenvolvimento do seu filhote
Ligar várias vezes para o pediatra quando ocorre alguma dúvida
Entrar em êxtase ao ver seu primeiro sorriso, sua primeira gargalhada
Ficar ansiosa para o dia que ele falará ‘mamãe’ pela primeira vez e que dará seus primeiros passinhos
Namorar o bebê
Saber que as preocupações serão para sempre
Não imaginar mais a sua vida sem seu bem mais precioso!
Ser mãe é ser eterna…
(Adaptação do texto do Dr. Ruy Pupo Filho, pediatra e neonatologista)
Parto Henrique (284)
Te amo, Henrique!! ❤️ Você trouxe mais razões e emoções para a minha vida!!
Anúncios

Educação: Crianças Terceirizadas

Ao engravidar já havia decidido que quando o Henrique nascesse não queria ter babá.  Não sou profissional liberal, portanto tenho direito a licença-maternidade, e acertei com um dos meus chefes que tiraria férias logo depois da licença, daí poderia ao menos ficar 5 meses com ele.

Este início não foi fácil. Não fui criada cercada de crianças, pois minha família é pequena e tudo foi muito novo para mim.

Henrique nasceu em um sábado de carnaval, e por conta do feriadão em sua primeira semana de vida pude contar com a ajuda da minha mãe e da minha irmã, que foram fundamentais! A primeira semana é muito cansativa, nos sentimos exaustas e até tristes em alguns momentos, com pensamentos do tipo “será que vou dar conta?“.

Meu marido tentava me convencer a ter uma babá, pois via as nossas dificuldades no aprendizado deste novo mundo que entramos e, após duas semanas de vida do Henrique, contratamos uma babá enfermeira, especialista em recém-nascidos, que ficaria somente um mês conosco.

Foi muito difícil me convencer, mas confesso que nesse mês aprendi bastante ao lado de uma pessoa que já cuidava de outros bebês da mesma forma (ela só fica realmente um mês e não dorme!!) e me fez sentir mais segura para cuidar do meu filhote.

Mesmo estando aqui, não deixava somente para ela ter os cuidados do Henrique. Acho importante, justamente por temer a tal “terceirização”.

Enfatizo que não condeno quem tenha babá, até porque quando eu voltar a trabalhar a necessidade pode me impor a contratar alguma, já que trabalho também no período noturno. Porém, acho que os pais podem ser mais presentes mesmo que seus filhos fiquem com babás, avós, tios etc.

Quando planejado, filho vem de um projeto de constituição de família num casamento. É imprescindível que os pais sejam presentes na sua formação. Apesar de me convencer a contratar uma babá por este breve período, meu marido sempre foi muito presente: troca fralda, brinca, embala para dormir… Só não amamenta (por que não pode! rsrsrs) e dá banho (por que tem medo! :P).

Achei este vídeo muito pertinente aos dias atuais, onde muitas querem ser mães, mas não enfrentam a realidade de cria-los adequadamente, principalmente no primeiro ano de vida, onde os vínculos são construídos.

Vale a pena assistir!

A Baleia Assassina e o Efeito do Distanciamento

Imagem

Estava eu mexendo em alguns papéis e me deparo com um artigo do amigo de meus pais, José Pedro. Este artigo remete uma história vivenciada por nós quando eu ainda era criança (05 anos), e acabou sendo tese de discussão em sala de aula sobre o “Efeito do Distanciamento”.

A BALEIA ASSASSINA E O EFEITO DO DISTANCIAMENTO

 

“Orca: a baleia assassina” era o filme programado para a Sessão Coruja daquele domingo. “Hora de menininha bonitinha estar na cama, não é mesmo Dona Elenira?” 

Era Goretti, a mãe, a dizer que “amanhã cedo, na hora de levantar, minh alma era triste”. 
Mas quem diz de Dona Elenira querer sair do sofá?!Não houve jeito. Ia ver o filme comigo, que ali me achava de visita. Não tem truque melhor do que esse. A mãe não ia poder, não ia saber dizer que não. 

E o filme correndo, e a chatice de sempre comendo solta. Conversa não vai, conversa não vem, aquela mesma histeria amplificada a um grau de insuportabilidade exasperante pela voz idem dos dubladores, os de sempre. 

Deitada no sofá, Elenira permanecia de costas para o aparelho. Parecia estar dormindo até. Mas eis que de repente desvirava, e se ligava no filme. Uma, duas, três, quatro vezes. E aquilo me intrigando. Até que resolvi perguntar: “Mas por que você não assiste o filme inteiro?” Respondeu que só queria olhar quando tivesse perigo. “Mas como você faz para saber quando tem perigo?” E ela, com profundo conhecimento de causa, espantoso para uma menininha de cinco anos: 
“É fácil. Eles põem uma musiquinha.” 

Fiquei pensando comigo se ainda teria alguma validade, afinal, aquela coisa do “efeito de distanciamento”. Conjeturei que as menininhas de hoje em dia talvez já nasçam com essas noções implícitas no aprendizado que fazem do mundo. Ou embutidas no código genético, sei lá… 

Quando dei por mim, ou melhor, no momento em que acordei, Elenira estava ligada no final do filme. Aquela musicona num crescendo impossível. Foi o que me fez despertar. E o comentário dela veio certeiro: “Aprendeu, hein Tio?”

Este filme me impressionou bastante. Não sei como a minha mãe deixou eu assistir! Rsrsrsrs…  Mas interessante mesmo a visão do “tio” Zé Pedro acerca daquele momento. A percepção das crianças é muito aguçada e por isso devemos ter cuidado com o que mostramos e falamos à elas. 

Se você tem mais de 30, vai lembrar do filme! Vale a indicação no youtube:

Trailler: http://www.youtube.com/watch?v=OJK7OiXYmnw

“Grand Finale” 😛 : http://www.youtube.com/watch?v=5q27jdZj5TQ

O Dr. José Pedro Antunes possui graduação em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1972), mestrado em Teoria Literária pela Universidade Estadual de Campinas (1989) e doutorado em Teoria Literária pela Universidade Estadual de Campinas (2001). Atualmente é professor assistente doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Temas de interesse: tradução literária, teoria literária, vanguardas históricas, literatura alemã do século XX, teatro, cinema, poesia, língua alemã, entre outros. (Fonte: Currículo Lattes).

A mulher e sua paixão por sapatos!!!

Imagem

Não há com negar: a relação entre as mulheres e os sapatos é algo muito particular, e comprar sapatos torna-se um ato delicioso para a maioria de nós mulheres! Principalmente quando estamos na fase daquelas três letrinhas problemáticas TPM!!

Quando trabalhava no interior do meu Estado, na cidade de Penedo (farei um post sobre ela também, pois a cidade é Tombada por se tratar de um Patrimônio Histórico de nosso País), havia uma amiga minha bibliotecária e contadora de histórias que escreveu um conto ao meu respeito por observar que praticamente todo o dia eu estava com um par de sapatos diferentes.

Imagem

Transcrevo o conto abaixo, no qual fiquei muito feliz por ser fonte de inspiração J:

A MENINA DOS SAPATOS COLORIDOS

Era menina, menina em flor, sempre menina.

Gostava de sapatos coloridos e cada par que calçava vivia uma aventura.
Quando calçou os sapatos de cor Pink, viajou até Paris e ficou encantada com a Torre Eiffel.

Os sapatos de cor verde levaram-na até o Amazonas. Lá deslizou sobre as vitórias-régias e cantou com o pássaro verde de bico dourado.

Ah! Menina, tão linda menina. Seus sapatos azuis transportaram-na até o céu. Lá ela conheceu os anjos de cabelos enrolados e cacheados, tocando harpas e deslizando sobre as nuvens.

Mas, ela possuía um par de sapatos, que era o seu preferido, pois era todo colorido e quando o calçava ela subia e descia o Arco Iris, encontrava um pote de ouro cheio de guloseimas e era uma delicia!

A menina adorava aventuras e vivia sonhando com seus pares de sapatos coloridos.

Mas, um dia misteriosamente ela perdeu todos os pares de sapatos. A menina chorou, chorou, chorou, procurou por toda a casa. Perguntou ao pai, à mãe, aos irmãos, aos colegas da escola. Mas, ninguém sabia onde estariam seus sapatos coloridos.

Só lhe restou um par surrado de cor roxa, que ela não gostava. Pois, teve de usá-lo quando sua vovó, aquela que lhe contava histórias na hora de dormir, partiu numa viagem e nunca mais voltou.

A menina ficou triste, não sorria, não comia, não brincava, só pensava nos sapatos coloridos e perguntava-se:

– Onde estariam? Por que fora abandonada por eles?

Em uma noite de lua cheia a menina resolveu dar uma volta no jardim de sua casa. Que surpresa, ao olhar para o céu! Ela viu todos os seus pares de sapatos dançando uma ciranda ao redor da lua e eles cantavam:

Menina, não chore.
Menina, não fique triste.
Menina, nunca deixe sorrir.
Menina, se você acreditar
em seus sonhos,
nós voltaremos para você.

A menina começou a sorrir e, um a um, seus pares de sapatos coloridos foram descendo da lua até ela.

A menina ficou muito feliz e continua vivendo suas aventuras.

Pé de pinto, pé de pato, quem gostar de sapatos que conte quatro.

(Para minha amiga Lila Pompe, que me inspirou este conto com seus pares de sapatos coloridos)

Postado em 20/07/2011 13:55 (http://aquiacontece.com.br/artigos/index/id/6)

Por Izabel Fernandes

Bibliotecária Especialista e Contadora de Histórias

Imagem

Lila.